cool hit counter

Artigos

Receitas

Entrevistas

Restaurantes

Livros

Vinhos

Degustações


21.11.08

Alimentando idéias e estômagos

Livrarias para mim sempre foram um ótimo programa. Principalmente depois que descobriram que livraria não precisa, não deve, ser apenas uma loja de livros. Mais do que nunca, livrarias hoje são locais entretenimento tanto quanto o produto que vendem. A coisa ficou ainda melhor depois que colocaram Cafés dentro delas. Então, entre um livro e um pingado, você espera o mundo passar lá fora com toda a paciência e serenidade que a gente parece recuperar quando entra num lugar desses.
Aqui no Rio a Livraria da Travessa foi além instalando mais do que Cafés nas lojas. Primeiro numa parceria com o Bazzar e agora com o Copa Café, separou um espaço no meio das estantes para algo mais do que Cafés, algo mais gastronômico, mas sempre sem perder esse jeitão que deu tão certo aqui. Como não consigo ficar longe de livros e perambulava com fome pelo shopping...
No sábado fui na já tradicional Travessa do Shopping Leblon onde o Bazzar montou a versão Café do seu restaurante de Ipanema e oferece um cardápio de tapas, sanduíches, saladas e grelhados daqueles difíceis de escolher porque tudo parece bom. No mezanino onde está instalado a vista não tem janelas, mas é sensacional. O colorido dos livros, livros e mais livros em balcões e estantes com as pessoas circulando e folheando é das mais entretidas. E arrematada pela trilha sonora sempre muito bem escolhida faz comer lá um dos melhores programas do bairro.
Na terça fui à nova e enorme Travessa do Barrashopping comer no Copa Café que abriu sua primeira filial lá. Ao contrário do Bazzar, o Copa tem janelas que dão para o exterior e iluminam o salão que está muito bem montado com belos móveis e decoração. A vista da livraria é mais acanhada, mas o ambiente é ótimo.
Quem me conhece um pouco já sabe o que pedi para comer nos dois lugares: hambúrguer, claro. Então vamos a eles.
O Copa Café é especializado em hambúrgeres e é sempre bem votado nas eleições da Vejinha. Na casa da Barra encontrei um serviço bastante atencioso e simpático e o cardápio, além dos tradicionais hambúrgeres, traz saladas, alguns grelhados e outros sanduíches. Nota-se a intenção de oferecer algum refinamento em pratos teoricamente simples, mas sem nenhuma afetação. Aqui cabe um parênteses saudosista: um dos donos do Copa foi dono do Rock Dreams, bar que já servia ótimos hambúrgueres nos anos 70 e talvez um dos primeiros lugares onde fui sozinho à noite na vida. Não dá para esquecer de liberdade e hambúrgueres juntos num lugar só, não é?
Não lembro o que eu pedia no Rock Dreams, mas para não fugir à regra, aqui fui no basicão: cheeseburguer com bacon, cebolas e pepino acompanhado de batatas assadas com sal grosso e alecrim. O pão era ótimo e nessas horas é que você vê que ele faz toda a diferença, mas o hambúrguer estava bom, mas não emocionou. Para acompanhar, uma Stella no ponto naquelas tulipas geladas que quase não existem mais por aí.
No Bazzar meu pedido já é um clássico. Se eu fosse assíduo o garçom nem me perguntaria: hambúrger com batata rosti e molho gorgonzola. Como você já deve ter notado não é o que está na foto ao lado que descaradamente roubei da Roberta. Gracias, Beta. Apesar de não ser uma casa especializada nesse tipo de sanduíche – a Constance até diz que o melhor de lá é o croque monsieur – o sabor do hambúrguer do Bazzar é inigualável. Não sei como a turma da Cris tempera a carne, mas até minha mulher que não é fã, achou sensacional. E é mesmo. O serviço também é sempre atento e delicado e as caipirinhas são ótimas.
O resumo da história é que as duas casas se encaixaram muitíssimo bem dentro das livrarias. Ponto para a Travessa por buscar os parceiros certos. Cada uma do seu jeito, mas oferecendo cardápios bem parecidos no conceito, o Bazzar e o Copa são tanto ótimos coadjuvantes para quem vai atrás dos livros como também protagonistas perfeitos para aqueles que estão mais preocupados em alimentar o estômago do que as idéias. Ótimos programas.

Marcadores:

9 comments links to this post

12.11.08

Swiss Army

Não corta, não lixa, não aparafusa, não saca rolhas, não limpa os dentes, nem tira farpas de madeira enfiadas no dedão, mas em certos momentos é a melhor ferramenta que você pode ter no bolso.  Compre seu canivete de chocolate recheado com praliné de amêndoas aqui.
Precisam urgentemente inventar um apetrecho de cozinha útil como esse.

Marcadores:

3 comments links to this post