cool hit counter

Artigos

Receitas

Entrevistas

Restaurantes

Livros

Vinhos

Degustações


13.1.08

Roberta Sudbrack

O restaurante da Roberta Sudbrack é outro daqueles que de tão perto de casa a gente sempre deixa para ira a qualquer hora. Como essa hora qualquer estava demorando a acontecer, a gente foi lá e fez, a reserva, para o penúltimo dia de funcionamento da casinha laranja em 2007. O resultado é que se 2008 for como terminamos 2007 em matéria de comida boa, estamos feitos.
Acompanhados dos queridos Monica e Alexandre, a madame e eu abrimos os trabalhos com as brusquetas de tomate fresco, um poãozinho de gruyere e patê de campagne que já mostravam o sabor verdadeiro e a simplicidade rica que dominaram todo o jantar.
Jantar que começou com vários sabores em uma colher. Lichía recheada de foie gras e gelatina de Tokaj (Tokaj é um vinho doce húngaro). A colherada que começa doce termina sem percalços no sabor denso do foie gras numa combinação que nos fez pensar como alguém consegue imaginar que essa combinação de sabores e produtos tão diferentes pode dar tão certo. Claro que sabores tão opostos numa mesma colher pode não agradar a todos, mas ousadia e confiança no paladar dos clientes são caracteristicas dos grandes chefs.
Depois fomos brindados com um um aspargo cozido no ponto - aquele ponto perfeito que você nunca consegue fazer em casa - com um molho doce e picante com textura na língua e flores de couve que marcou o jantar. O favorito da noite para a Monica.

Uma cumbuquinha de madeira chegou na mesa com uma gema de ovo semi-cozida coberta por flocos que na hora identificamos com algum sabor da infância mas que na verdade era quinoa que nenhum de nós ainda tinha provado. Sucesso total.

A coisa começou a ficar mais séria com o cherne acompanhado de mini cubinhos de tomate fresco, azeite e coberto com flor de sal. Prato que ia ficando mais rico a medida que os sucos do peixe se misturavam ao tomate e ao azeite. A madame e eu limpamos o prato com pão.

O penúltimo prato antes da sobremesa foi um risoto molhado de galinha da angola com sabores tão suaves e familiares que eu sorria a cada garfada lembrando de novo da comida e dos cheiros da cozinha da minha infância. É incrível como um prato simples, sem invencionices, mas bem feito tem muito mais a oferecer do que espumas, sorvetes e essas coisas que a gente vê como alta gastronomia por aí.Até aqui nos acompanhou um senhor Cave Geisse Brut, dos melhores espumantes nacionais. Depois tomei um copo do ótimo branco da casa. A vasta adega privilegia os vinhos nacionais e foi criada pelo Johnatan Nossiter, diretor do documentário Mondovino, que, na minha opinião, como documentarista é um ótimo sommelier. Mas digressiono, voltemos aos pratos.
Um sucesso da casa completou essa primeira etapa do jantar. Leitãozinho preparado de uma maneira que deixa a carne suave e molhada enquanto a pele fica tão crocante que só dá para comer com as mãos. O purê de batatas que acompanha é perfeito na simplicidade total do prato. Cheguei à conclusão que eu nunca tinha comido torresmo na vida pois nenhum dos que supostamente me apresentaram com esse nome sequer chegam aos pés do que provei na Roberta.
Encerramos a noite com duas sobremesas: um bolo/suflê quente de cerejas frescas acompanhado de creme inglês divino, e um prato de docinhos com um eclair de morango, outro de chocolate, brigadeiro de colher e dois sudkri (aquele antiiiigo chocolate Kri recriado pela chef) de chocolate amargo e ao leite acompanhando os cafés e chás.


A Roberta consegue fazer uma cozinha que ao mesmo tempo que é contemporânea, moderna e rica, é simples, familiar e aconchegante. Conhecer os limites entre criatividade e invencionice, tradição e repetição e personalidade e auto-afirmação na comida é muito difícil, ainda mais em tempos tão autorais e marqueteiros como os que estamos vivendo na gastronomia. Mas a chef consegue.
Saí da casinha laranja pensando como era possivel que tantas lembranças saborosas tenham passado pela minha cabeça enquanto eu comia pratos tão simples e tão modernos. Não sei como ela faz, mas, se além dos prêmios de cozinha contemporânea que ela ganha por aí, houvesse um para cozinha tradicional, eu premiava a Roberta também.
Como diz a outra Roberta: vá lá!

Roberta Sudbrack
Av. Lineu de Paula Machado, 916 Jardim Botânico - RJ
Tel.: 21 3874.0139 (O restaurante reabre dia 16/1)


PS: Como dá para notar, as fotos do leitãozinho e dos chocolates destoam das outras porque não foram feitas por mim mas pelo Marcelo Katsuki, que esteve lá uma semana antes de nós. Como o cardápio da Roberta muda todo dia, vale ver o que o Kats provou também. Clique aqui. Arigatô Kats!

Marcadores:

6 Comments:

Anonymous PF said...

Caramba! E eu que ainda não fui conferir tudo isso nas minhas (poucas) visitas à Cidade Maravilhosa...
Excelente post. As suas fotos também estão muito boas. Voce tirou com máquina ou foi com o celular mesmo?
Quanto aos pratos, me pareceram maravilhosos. Somente me parece que pelo valor pago pode-se desfrutar de uma degustação no D.O.M. de 8 pratos, queijo e 2 sobremesas. Mas, de qualquer maneira, independente dos 2 cursos a mais ou a menos, com certeza foi uma experiência marcante e uma noite super agradável com a companhia que voces tiveram.
O resumo de todas essas experiências gustativas é realmente o que voce escreveu: "como alguém consegue imaginar que essas combinações de sabores e produtos tão diferentes pode dar tão certo"??? São, de fato, artistas!
Abração,
PF

14/1/08 11:07  
Blogger Nunca treze à mesa. said...

Como bem diz Nina Horta, cozinhar é uma forma de se ligar.
Então, comer é uma forma de estar ligado.
Desfrutar de uma refeição da Roberta é um choque de 220v. Não foi a toa o sucesso dela como chef no Planalto.

Tudo de bom!

14/1/08 11:37  
Anonymous Cris Beltrão said...

Roberta não tem erro! É ir e adorar.
Tem um resumo do Tokaji no site do meu restaurante preferido...
bjs saudosos e desejosos de um Feliz Ano Novo

14/1/08 16:19  
Anonymous Michel said...

Que Maravilha. Eu não achava que uma chef que lança livro pra cachorros fosse tão competente.

16/1/08 20:15  
Blogger Roberta said...

pra mim a melhor comida do mundo. vá lá!

23/1/08 19:27  
Blogger Vitoria said...

Pois eu achei aquele restaurante um assalto a mao armada!! O serviço da nossa mesa foi péssimo (e estavamos em cinco pessoas), custou o olho da cara (sem bebida,porque os vinhos eram todos SUPER CAROS!!!) e pagamos quase 300 pratas por cabeça para sair de lá com fome e mal atendidos!!! Para mim é so mais um desses lugares que o carioca adora dizer que foi so pra ser visto!! Moro no Rio, mas fico impressionada como o carioca gosta de ser enganado!! Achei as receitas do livro Bom pra cachorro melhor do que as do restaurante!!!

5/5/08 22:35  

Postar um comentário

<< Home